L-triptofano

Atualizado: Mai 17

A saúde intestinal é um assunto bastante abordado hoje pelos nutricionistas na assistência nutricional. Sabe-se que uma microbiota intestinal adequada ajuda desde a absorção de nutrientes até a regulação do metabolismo de diversos nutrientes, auxiliando na manutenção da saúde e desempenhando papel importante em doenças metabólicas, como obesidade, diabetes tipo 2, dislipidemia, doença hepática gordurosa não alcoólica e aterosclerose. Além disso, as pesquisas sobre a relação do intestino com o cérebro avançam.


Recentemente, a microbiota intestinal foi reconhecida como um dos principais

reguladores do chamado Eixo microbiota-intestino-cérebro. O intestino humano abriga trilhões de bactérias simbióticas que desempenham um papel fundamental em nosso metabolismo.


Além da relação entre intestino e sistema nervoso central, devemos lembrar que o sistema nervoso central está estreitamente interconectado com o sistema endócrino para regular muitos processos fisiológicos, o que aumenta a importância de um organismo bem equilibrado em todos os aspectos.


Nos últimos anos, pesquisas no campo da neurociência nutricional têm

destacado a influência que os nutrientes podem exercer sobre a atividade cerebral. Entre os nutrientes, as proteínas se destacam pois fornecem aminoácidos que são precursores de neurotransmissores ou, em muitos casos, atuam como o próprio neurotransmissor.


Neste sentido, temos o L-triptofano, precursor da serotonina.

A serotonina pertence à classe de neurotransmissores de pequenas moléculas e ação rápida, sendo responsável por respostas agudas do SNC. Sua importância no humor, controle da ingestão alimentar (apetite) e saciedade é bem conhecida.


Curiosamente, alguns micro-organismos intestinais como Streptococcus,

Enterococcus e Escherichia são capazes de metabolizar o triptofano, atuando junto à produção da serotonina. Deve-se lembrar que alguns nutrientes são essenciais nesta transformação como folato, vitaminas B12 e B6 além de Zinco e Magnésio; por este motivo, a ingestão alimentar destes nutrientes também deve estar adequada.


Apesar do papel fundamental de uma microbiota intestinal adequada para o

controle do apetite e saciedade, alterações no padrão alimentar e algumas patologias podem alterar a proporção das bactérias no intestino e desenvolver um quadro chamado disbiose intestinal, que muitas vezes traz sintomas como desconforto e distensão abdominal e flatulência. Nestes casos, o nutricionista realizará avaliação e prescrição para restabelecer a saúde intestinal.


Dentro do aspecto nutricional, uma dieta rica em alimentos saudáveis e naturais, fontes de fibras, evitando o consumo de alimentos ultraprocessados, ricos em gordura e açúcar, auxilia na manutenção da saúde intestinal.


Dentro do aspecto farmacológico, existe uma preocupação a respeito da

utilização de drogas serotoninérgicas. Apesar de alguns estudos científicos mostrarem que a utilização dessas drogas pode reduzir o consumo alimentar e contribuir para perda de peso por inibirem da recaptação de serotonina, aumentando a serotonina disponível no cérebro, é desaconselhável suplementar o L-triptofano para estes indivíduos, pois pode haver um aumento exacerbado da disponibilidade da serotonina, que pode gerar uma condição grave chamada Síndrome Serotoninérgica.


Atenção: A suplementação deve ocorrer de forma paralela à alimentação

saudável, sempre em sintonia com a mudança do estilo de vida. A ingestão de quantidades acima do recomendado, pode trazer riscos à saúde. Consulte seu nutricionista para maiores informações e individualização da prescrição. Não negligencie as interações fármaco-nutriente.

Principais fontes consultadas:


1. Cryan, J. F., et al. (2019). The Microbiota-Gut-Brain Axis.Physiological Reviews, 99(4), 1877–2013.

2. Jacobsen, Jacob P R et al. “Adjunctive 5-Hydroxytryptophan Slow-Release for TreatmentResistant Depression: Clinical and Preclinical Rationale.” Trends in pharmacological sciences vol. 37,11 (2016): 933-944.

3. Pan Q., et al. Selective inhibition of intestinal 5-HT improves neurobehavioral abnormalities caused by high-fat diet mice. Metabolic Brain Disease. Published online 01 april 2019.

4. Smarius LJ, Jacobs GE, Hoeberechts-Lefrandt DH, et al. Pharmacology of rising oral doses of 5-hydroxytryptophan with carbidopa. J Psychopharmacol. 2008;22(4):426‐433.

5. Turner EH, Loftis JM, Blackwell AD. Serotonin a la carte: supplementation with the serotonin

precursor 5-hydroxytryptophan. Pharmacol Ther. 2006;109(3):325‐338.

6. van Lingen M., et al. Lack of brain serotonin affects feeding and differentiation of newborn cells in the adult hypothalamus. Frontiers in Cell and Developmental Biology. April 2019, v.7, article 65.

7. Carvalho-Santos J., et al. Efeito do tratamento com triptofano sobre parâmetros do comportamento alimentar em ratos adultos submetidos à desnutrição neonataRev. Nutr.,

Campinas, 23(4):503-511, jul./ago., 2010.

8. Cussotto, S., Sandhu, K. V., Dinan, T. G., & Cryan, J. F. (2018). The Neuroendocrinology of the Microbiota-Gut-Brain Axis: A Behavioural Perspective. Frontiers in Neuroendocrinology.

9. Gendle MH, Young EL, Romano AC. Effects of oral 5-hydroxytryptophan on a standardized planning task: insight into possible dopamine/serotonin interactions in the forebrain. Hum Psychopharmacol. 2013;28(3):270‐273.

10. Rantala MJ, Luoto S, Krama T and Krams I (2019) Eating Disorders: An Evolutionary Psychoneuroimmunological Approach. Front. Psychol. 10:2200.

11. Rea K, Dinan TG, Cryan JF. Gut Microbiota: A Perspective for Psychiatrists.

Neuropsychobiology 2020;79:50–62.

12. Wang S, Yu Y, Adeli K. Role of Gut Microbiota in Neuroendocrine Regulation of Carbohydrate and Lipid Metabolism via the Microbiota-Gut-Brain-Liver Axis. Microorganisms

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo